Picnic das Blogueiras e Youtubers de MT

Essas são as Blogueiras e Youtubers de Mato Grosso! Clique aqui e confira como foi esse encontro!

Leia mais

Look Hiroshima

Me arrisquei num novo estilo e super amei, clique e confira!

Leia mais

Probeleza 2016

Veja um pouco desse evento de beleza que aconteceu na nossa capital, clique aqui e confira!

Leia mais

05/10/2010

Continuação... O Casamento de Jacó

Disse Jacó a Labão: Dá-me minha mulher, pois já venceu o prazo, para que me case com ela. Gênesis 29:21

Após sete anos de trabalho árduo, o grande dia finalmente chegou. “Reuniu, pois, Labão todos os homens do lugar e deu um banquete” (Gn 29:22). Jacó e a noiva trocaram votos de fidelidade e amor, e então Jacó a levou para sua tenda onde passaram a noite juntos.

Mas, ao amanhecer, Jacó teve a primeira decepção: a mulher com quem dormira não era a amada Raquel, mas a irmã Lia. Esse tremendo engano só foi possível porque nos casamentos antigos a noiva era coberta com um véu. “O costume da época determinava que o noivo fosse deitar-se primeiro. Então a noiva era trazida até ele, usando véu. Somente no escuro o véu era tirado” (Champlin).

A noite é propícia para enganar. Mas a luz do dia revela a fraude. Será que Jacó, ao perceber esse engano, lembrou-se de que alguns anos antes havia enganado seu pai Isaque de modo semelhante? Isaque não enxergou quem estava abençoando. E abençoou Jacó em vez de Esaú. Agora Jacó foi enganado de modo parecido. Ele não viu com quem estava dormindo. Talvez fosse sua consciência culpada que o impediu de dar uma cajadada na cabeça do trapaceiro Labão. O tio havia seguido o costume local, ao dar primeiro a filha mais velha. Mas isso não justifica a fraude. Ele poderia ter agido com honestidade.

Então Labão propôs uma maneira de resolver aquele impasse: “Você espera uma semana, até terminar a festa de casamento, e então te darei também Raquel, em troca de mais sete anos de trabalho.” Não vendo outra saída, Jacó concordou.

Mas Jacó não teve felicidade em seu lar. Lia não era feliz porque sabia que o marido amava Raquel. E Raquel era infeliz porque não conseguia ser mãe. As duas começaram a competir entre si pelo amor de Jacó. Lia fazia de tudo para conquistá-lo. Ela chegou até a alugá-lo em troca de umas mandrágoras (Gn 30:15). Mas nada parecia dar resultado. Quando lhe nasceu o primeiro filho, Lia se encheu de esperança: “O Senhor atendeu à minha aflição. Por isso, agora me amará meu marido” (Gn 29:32).

Muitas esposas já devem ter manifestado a mesma esperança: “Agora que nasceu nosso filho, meu marido me amará.” “Agora que nasceu nosso filho, meu marido vai me tratar bem.” “Agora ele vai parar de beber.” “Agora ele irá comigo à igreja.” Essa esperança, no entanto, muitas vezes se prova infrutífera, especialmente quando o amor não é correspondido.

Mendigar amor só faz aumentar o desprezo do cônjuge indiferente. O melhor é afastar-se levemente e manter a dignidade. Continua...